top of page
  • Foto do escritorjornalbanquete

O segundo arco-íris branco

Por Davi Arrigucci Jr.


Este livro tem, a meu ver, um valor íntimo que vai além de seus argumentos, cuja força, pelo peso e pela amplitude da erudição, se impõe ao leitor desde as primeiras linhas. Argumentos sempre podem correr o risco de obscurecer, sem lograr garantir, o efeito estético que pretendem justificar; a doutrina reiterada a cada passo estará sujeita à contestação, se o ponto de vista de quem lê for diverso do exposto. No entanto, uma coisa é irrecusável: a paixão medular com que o autor persegue seu alvo, através da arte da tradução e da crítica, nos mais diferentes textos, da Bíblia ou da poesia chinesa, à poesia contemporânea ou a um teatro de nenhures. A qualidade das traduções salta à vista. Por via delas, o que de fato ele busca é algo que se esquiva e só a forma revela. Os textos traduzidos, com sua variedade, dão testemunho do vasto percurso e da complexidade do trabalho. Os pontos luminosos indicam que foi alcançada a meta intermitente e fugidia, graças ao enlace entre o poeta, o tradutor e o crítico (o que, no extremo, faz dele o intérprete dos símbolos babélicos do teatro do mundo).


Essa rara combinação tornou, de fato, Haroldo de Campos uma figura ímpar e inesquecível. Quem não teve a sorte de conhecê-lo vai encontrá-lo aqui de corpo inteiro, mais vivo do que nunca, na exuberância barroca de seu fervor pela palavra. Para ele, a tarefa do tradutor consistia em reconfigurar na língua de chegada, pela transposição hiperliteral, sem perder o mínimo traço significativo, a forma significante do original, conforme a lição de Pannwitz retomada por Walter Benjamin. Haroldo, inspirando-se na experiência de tradutor de Ezra Pound e no saber linguístico de Roman Jakobson, procura pôr em prática essa proposta radical e difícil. Só o difícil é estimulante, diria uma vez mais o poeta. Reafirma, assim, a lição de Mallarmé de que apenas nas palavras se acha a substância ligeira, alada e sagrada, referida pelos gregos. Somente nelas reside aquele algo que tão bem sabe se ocultar no silêncio, para ressurgir de repente da secreta aliança entre sentido e som: aquilo que, para nós, se faz enigma e assombro e se chama simplesmente poesia. É ela que unifica numa só luz o variado prisma deste livro e guarda, em seu íntimo, o valor mais precioso.

______________________________________________________________________________________

* Davi Arrigucci Jr. é crítico literário, tradutor, contista e romancista. Foi professor de Teoria da Literatura na USP. Durante sua formação, realizou doutorado sobre o escritor argentino Júlio Cortázar. Publicou os estudos Humildade, paixão e morte: a poesia de Manuel Bandeira e Coração partido – Uma análise da poesia reflexiva de Drummond, entre outros. Em 2003, estreou na ficção com a novela Ugolino e a perdiz.

39 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


bottom of page