top of page
  • Foto do escritorjornalbanquete

UM CATÁLOGO DE EPIFANIAS

Por Claudio Daniel


Berço de lírios, nova reunião de poemas de Daniela Pace Devisate, é um pequeno catálogo de epifanias. Mircea Eliade, no Tratado de história das religiões, define epifania (do grego epi, sobre, phaino, brilhar) como a manifestação inesperada do divino ou o acesso súbito à sabedoria, tal como no satôri zen-budista, nas revelações obtidas em sonhos, transes xamânicos ou experiências rituais com alucinógenos. O conceito de epifania passou a ser usado na modernidade por autores como James Joyce, num contexto laico e profano, para designar percepções estéticas que causam uma reação emocional intensa de horror ou deslumbramento. Esta é a palavra que me ocorre – a partir da epígrafe da própria poeta – para definir a experiência de leitura deste livro, que nos seduz já a partir do primeiro poema, o dístico “Tenho uma árvore / no lugar do coração”, enigma com certo sabor dos oráculos das pitonisas. Há todo um bestiário nas composições deste volume, em que encontramos pardais, abelhas, aranhas, tigres, borboletas e outros animais, insetos e aves, capturados por um olhar fanopaico, que funciona como uma câmera de cinema. As imagens retiradas da natureza e do cotidiano são editadas no estúdio da mente e o resultado são fotogramas poéticos que nos surpreendem com o inusitado de estranhas narrativas, próximas a um quase-surrealismo, como acontece na composição Paz noturna: “Cornucópia de silêncios / o lírio-trombeta / toca sua música verde e branca / estrelas que nascem / tilintam delicados sinos / e o som de um arroio / arremata a orquestra / de sapos / o suave cetim negro do céu / eu faço de fronha”. A exploração do universo sensorial, o sensualismo e a sinestesia estão presentes na poesia de Daniela Pace Devisate desde os seus primeiros livros e aqui também mergulhamos em imagens e sonoridades de intensa beleza. A lógica da metamorfose, a la Lautréamont, é outra característica desta lírica intimista, como lemos em Floresta de símbolos (título que nos faz lembrar de Charles Baudelaire): “ Na mata cerrada das palavras / algumas árvores são lendas / mas as flores são poemas”. A dimensão do sagrado é outro aspecto sempre presente nos poemas da autora, seja na incorporação órfica das divindades gregas, seja no diálogo com o sufismo e, sobretudo, na visão do sagrado presente na própria natureza: “vi o pequeno espelho do mundo na perfeição da gota de orvalho atravessada pela primeira flama do sol”, como ela nos diz em Aurora. Os três livros de poesia publicados pela autora – Tantos quartos lunares, Véus de alethea e agora este Berço de lírios revelam uma autora madura, de voz própria, que já ocupa um lugar no que há de melhor na literatura brasileira contemporânea.


12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page